Quinta, 27 de novembro de 2014, 21h09

Tamanho do texto A- A+
Dr. André Luís Borba
Cirurgia Plástica Ocular e Vias Lacrimais

Dr. André Luís Borba

A cirurgia plástica ocular é uma área especializada da oftalmologia que lida com deformidades e anormalidades das pálpebras, do sistema lacrimal e da órbita.

Um cirurgião oculoplástico é um oftalmologista que tem especialização em cirurgia plástica ocular e das estruturas anexas, onde se destacam as pálpebras.

 

Correção do excesso de pele e das bolsas palpebrais

A projeção da pele e da gordura palpebral ocorre normalmente após os 35 anos e dependendo do grau do acometimento ou do quanto a visão está prejudicada, indica-se a correção cirúrgica.

Geralmente, estas alterações aparecem como resultado de tendência hereditária ou com a idade. Alergias e fumo podem acelerar o envelhecimento das pálpebras e provocar o aparecimento de bolsas relativamente cedo. O procedimento cirúrgico indicado para corrigir essas deformidades chama-se blefaroplastia e pode ser reconstrutiva ou cosmética.

 

Lagoftalmo

Lagoftalmo é a condição na qual se consegue a oclusão total das pálpebras, causando a exposição total ou parcial do olho afetado. Esta alteração normalmente ocorre nos pacientes que apresentam paralisia facial ou retração palpebral. Nos casos acentuados, pode causar úlcera de córnea.

 

Ptose Palpebral

A queda da pálpebra superior é chamada de Ptose palpebral. Quando é acentuada, parte da pupila fica coberta bloqueando o campo de visão. Nos casos graves, é necessário inclinar a cabeça para trás ou levantar a pálpebra com a ajuda das mãos, para que se possa ver corretamente.

Dependendo do caso, realiza-se a fixação ou um encurtamento do músculo que eleva a pálpebra superior. Nos casos congênitos, a técnica mais utilizada é o implante de um fio de silicone conectando a pálpebra superior ao músculo frontal (testa).

 

Ectrópio palpebral

Quando a margem palpebral everte-se (vira para fora), causa exposição do globo ocular, irritação, lacrimejamento e desconforto ocular constante. A cirurgia é indicada para reposicionar a pálpebra inferior à posição normal.

 

Entrópio palpebral

Quando a margem palpebral está invertida (virada para dentro), a sua pele e os cílios ficam constantemente em contato direto com o globo ocular, o que provoca desconforto e irritação. Este processo tende a desenvolver áreas de abrasão ou úlcera de córnea e até infecções graves com formação de cicatrizes que podem levar a perda de visão.

A correção cirúrgica nesses casos é altamente recomendada.

 

Blefaroespamo essencial – Uso da toxina botulínica

Além do uso cosmético da toxina botulínica, ela também pode ser utilizada funcionalmente para tratar os casos de espasmos ou contrações musculares. O blefaroespasmo essencial caracteriza-se pelo piscar repetitivo, involuntário e progressivo das pálpebras. Este processo não apresenta uma causa conhecida e muitas vezes leva à limitações na rotina normal diária como por exemplo: dificuldade em manter olhos abertos ao dirigir, cozinhar, ler, assistir, TV, etc, além de favorecer a reclusão social. O tratamento deve ser realizado com aplicações periódicas da toxina botulínica em determinados pontos palpebrais. Assim, ocorre o relaxamento dos músculos responsáveis pelo fechamento ocular, melhorando as contrações musculares e proporcionando a abertura das pálpebras.

 

Lesões e tumores palpebrais

Como qualquer outra parte do corpo os olhos e seus anexos estão sujeitos ao aparecimento de lesões e tumores. Estes podem ser benignos ou malignos. É importante que todas as lesões palpebrais do tipo verrugas ou pintas e feridas que não cicatrizam sejam avaliadas por um especialista para se certificar de que não se trata de uma lesão maligna. Nestes casos, o diagnóstico precoce e a remoção cirúrgica são fundamentais para um bom prognóstico.

 

Olhos inestéticos e o uso de próteses oculares

Este é outro capitulo muito importante da cirurgia plástica ocular, que diz respeito à recuperação dos olhos atróficos, olhos brancos ou mesmo cavidades sem olhos, que podem ser reconstituídas cirurgicamente por meio da colocação de implantes ou enxertos. Muitas vezes o sucesso do procedimento possibilita devolver ao órgão lesado o volume e o movimento corretos.

 

Olhos Secos

Você sabia que os olhos secos lacrimejam? Quando a qualidade da lágrima se altera por algum motivo, a lubrificação ocular fica comprometida e a sua superfície sofre ressecamento. O uso do colírio (tipo lágrima artificial) normalmente ajuda a combater os sintomas relacionados ao olho seco: sensação de ardor, queimação e areia nos olhos. No entanto, quando isto não é suficiente, o canal da lágrima que drena as lágrimas até o nariz pode ser fechado cirurgicamente por meio da colocação de um plug. Assim , mais lágrima permanecerá nos olhos por mais tempo, melhorando a lubrificação e conforto ocular.

 

Vias Lacrimais

Esta subespecialidade oftálmica aborda as disfunções da drenagem da lágrima que apresenta como principal sinal o lacrimejamento. O canal lacrimal conecta as pálpebras ao nariz por meio do ducto naso-lacrimal e é responsável pelo escoamento da lágrima. A obstrução do canal lacrimal gera lacrimejamento constante. Pode ser congênito ou adquirido.



 

Confira também nesta seçao:







Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber as novidades e os nossos informativos:


  • Nome:

  • e-mail:

  • assinar

  • cancelar